• CG Advogados

STARTUP - Contrato de Sociedade



No Brasil, o modelo mais usado pelas startups brasileiras é a sociedade limitada ou LTDA, na qual é necessária a participação de mais de um sócio🤝.


O formato se caracteriza pela responsabilidade limitada dos membros da sociedade, de acordo com valor investido por cada um💵, as principais características deste tipo de sociedade são:


- ✅Separação dos bens pessoais dos sócios;

- ⚠️Se houver prejuízos, os lucros deixam de ser distribuídos;

- 💵Remuneração e distribuição de lucros equivalentes ao valor aplicado;

- 💰Todos serão responsáveis pelo valor do capital social;

- ⚠️Não é necessário ter um Conselho Fiscal.


Não é incomum quando falamos de startup, a existência de uma modalidade específica que nasce de quando algum investidor ao aplicar valores no negócio, recebe parte deste, preferindo se manter anônimo.👻


Essa modalidade é chamada da ADOÇÃO DA SOCIEDADE ANÔNIMA, uma vez que permite a participação de diferentes tipos de acionistas que não têm a obrigação de trabalhar na empresa.


É importante que as obrigações dos sócios sejam definidas desde a formalização e assinatura do contrato de sociedade empresarial🤝, assim como é importante definir cláusulas específicas, que indiquem causas que possam levar a exclusão de sócios, valores e proteção dos dados da empresa.


Antes até disso, os sócios precisam da orientação técnica de um advogado e contador, que irão desenvolver a melhor modalidade para o desenho do seu negócio, evitando gastos desnecessários e prejuízos.


✅Lembre-se consulte profissionais de sua confiança!

Gostou da dica? Compartilhe com um amigo que está fundando sua STARTUP.

#startup#empreendedorismo#business#success#entrepreneur#empreendedor#empreender#inovação#smallbusiness#negocios#entrepreneurship#startuplife#advogados#direito#law#lawyer#adv#dicas#cgadvogados#crialessegarcia

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A LGPD CHEGOU NAS SENTENÇAS JUDICIAIS

SAIU A PRIMEIRA DECISÃO UTILIZANDO A LGPD! Sim, você leu certo, mais precisamente no dia 30.09.20, apenas duas semanas após a lei começar a vigorar, a justiça de São Paulo utilizou fundamentos da Lei